Entendendo a

Cirurgia Ortognática

Segundo dados da Sociedade Brasileira de Odontologia, somente no Brasil, entre 25 e 30% da população possui desarmonia facial em algum grau.

 

Esse problema ocorre principalmente quando boca, queixo ou gengiva são muito acentuados.

A solução para esses casos é a cirurgia ortognática.

A cirurgia ortognática é um procedimento necessário para corrigir e reposicionar os ossos da mandíbula e/ou maxila, e, por consequência, o posicionamento dentário de pacientes que apresentam diferentes graus de assimetria na região da face.

 

Seu objetivo é a correção das desproporções maxilo-mandibulares, restabelecendo a função mastigatória e possibilitando mudanças das características miofuncionais orais que se encontram alteradas; além de um padrão facial mais próximo a média da população em geral.

Os pacientes devem ser avaliados por uma equipe multiprofissional, composta pelo cirurgião, ortodontista, fonoaudiólogo entre outros profissionais, para que se tenha um diagnóstico e planejamento interdisciplinar na fase pré-cirúrgica.

O pré-operatório:

 

A avaliação fonoaudiológica, no pré-operatório, como primeiro passo, traz a possibilidade de detectar alterações miofuncionais orais que possam comprometer o resultado obtido pela Ortodontia e Cirurgia Ortognática.

 

O Fonoaudiólogo avalia as principais funções do sistema estomatognático (sucção, respiração, mastigação, deglutição e fala), sinais e sintomas de desordens temporomandibulares (DTM), presença de hábitos parafuncionais, como bruxismo, sucção digital entre outros.

 

Após os questionamentos sobre cada item, explica-se porque ocorre a alteração e qual é o padrão normal e é iniciado o trabalho de conscientização do paciente.  Acrescenta-se informações e orientações de como será a alimentação, higiene bucal, e demais cuidados pós cirúrgicos para permitir o rápido restabelecimento das funções estomatognáticas e retorno da alimentação habitual do paciente.

 

O pós-operatório:

 

Na fase pós-cirúrgica, o fonoaudiólogo atuará em dois momentos:

 

1.    No pós-operatório imediato – primeiro momento - aplicando técnicas que permitam rápida cicatrização, alívio de edema, parestesia e dor, além de relaxamento muscular e ajustes funcionais ao novo formato da estrutura óssea modificada.  Isso se dá com um arsenal de técnicas terapêuticas como drenagem linfática, laserterapia, eletroterapia, bandagem terapêutica e exercícios de motricidade oral.

 

2.    No segundo momento; com a redução do inchaço e alívio das dores inicias:

  • aplicando movimentos mandibulares, impedindo a formação de tecido cicatricial restritivo,

  • acompanhando a evolução e aplicando técnicas de facilitação da abertura de boca por meio de manobras específicas de alongamentos e alavancas (quando necessárias), adaptações posturais e funcionais das estruturas do sistema estomatognático à nova estrutura da face,

  • estimulando movimentos da mímica facial e de abertura, lateralidade e protrusão mandibular reabilitando a musculatura mastigatória atrofiada pela falta de uso, promovendo oxigenação, mobilidade, coordenação e aumento de massa e tônus muscular proporcionando o mais rápido retorno a uma alimentação normal, sem dor ou desconforto,

  • aplicando exercícios para aumentar a abertura da boca; e 

  • orientando e transferindo ao paciente, exercícios e técnicas que ele mesmo pode aplicar para alívio da dor e seu maior conforto para a rápida reabilitação da  respiração, mastigação, deglutição e fala.

 

A atuação fonoaudiológica através da terapia miofuncional restabelece as funções estomatognáticas, evitando assim recidivas e perda de resultados cirúrgicos entregando conforto e bem estar após a cirurgia e rápido retorno a alimentação habitual e as atividades normais do dia-a-dia.

O vídeo abaixo mostra as alterações que são realizadas através da cirurgia ortognática.

LogoLiviaHorizontal.png